sábado, 30 de julho de 2016

O Brasil em obras



BNDES cria grupo de trabalho para analisar liberação de financiamento a projetos de infraestrutura
Banco também conta com equipes especializadas em PPPs e privatizações
Luísa Cortés, do Portal PINIweb
27/Junho/2016




 
O Banco Nacional do Desenvolvimento (BNDES) criou uma frente de trabalho concentrada na análise da liberação de empréstimo para todos os projetos de infraestrutura e logística que se encontram na instituição financeira. O objetivo da iniciativa é identificar as dificuldades dos programas e resolvê-las.

O BNDES também tem outras frentes de trabalho. Uma delas é voltada a privatizações, apoiando os governos estaduais no processo de desmobilização de ativos com conhecimento técnico.

Há, também, uma área de estruturação de projetos, vinculada à presidência do banco e com uma equipe técnica especializada, dedicada à modelagem de concessões, Parcerias Público-Privadas (PPPs) e privatizações. A área já apoiou o desenvolvimento de viabilidade e de 27 projetos de concessões desde a sua criação, em 2008. Os trabalhos são nos mais variados setores: rodovias, aeroportos, saneamento, educação e saúde.

O BNDES pode apoiar privatizações e concessões em todos os principais segmentos de infraestrutura econômica e social. O apoio dá-se na fase de elaboração dos estudos técnicos preparatórios para concessões, e durante o processo de licitação.

Governo Federal vai retomar duas mil obras inacabadas do PAC
Com orçamento estimado em R$ 2 bilhões, lista incluirá projetos de rodovias, ferrovias, portos, aeroportos, urbanização, eletricidade e mobilidade
Luísa Cortés, do Portal PINIweb
27/Julho/2016



O Governo Federal deve finalizar em 20 dias uma lista de obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) paralisadas ou inacabadas, com custo de até R$ 10 milhões, e que serão executadas com prioridade. Segundo o ministro do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, Dyogo Oliveira, cerca de duas mil obras enquadram-se no perfil e têm custo estimado de R$ 2 bilhões.

"Vamos discutir com cada ministério para definir as obras prioritárias, com o objetivo de concentrar os recursos e garantir a conclusão daquelas de menor valor. O presidente Temer determinou que se priorizem obras que agreguem mão de obra local e cuja finalização seja muito importante para o atendimento das necessidades da população", explicou.

Durante a realização do diagnóstico, também serão identificadas aquelas não embargadas e sem problemas de licenciamento, que serão priorizadas. É prometido que os recursos serão realocados dentro da previsão orçamentária já existente para as pastas.

As obras incluem todos os setores de infraestrutura do PAC: rodovias, ferrovias, portos, aeroportos, urbanização, eletricidade e mobilidade.